Bebê: 1 ano e 5 meses

Olá pessoal, tudo bem com vocês?
Amanhã meu neném completa 1 ano e 5 meses (ebaa), então decidi compartilhar com vocês o que é esperado pra essa idade.


Como seu filho está crescendo

Já deve estar bem mais fácil entender o que seu filho quer -- é provável que ele já esteja dizendo alguma palavrinha aqui ou ali, ou até muitas palavras. E está cada vez mais independente: você já sabe se ele consegue tirar a roupa sozinho? Lembre-se de que é preciso dar oportunidade a ele de tentar.

Vestir-se sem você por perto ainda vai demorar. Mas incentive-o a pentear o próprio cabelo, fazer o movimento de lavar as mãos e comer algumas coisas sem sua ajuda. A escovação dos dentes vai ter de ser "revisada" por você por bastante tempo ainda.

A criança desta idade muitas vezes já consegue separar objetos por cor, forma ou função, por isso brinquedos de encaixar são especialmente bem-vindos. Você anda escutando muito a palavra não em casa? Se essa fase ainda não começou, está prestes a chegar.

As sonecas diurnas tendem a se reduzir a uma só, geralmente na parte da tarde, mas até que a transição aconteça por completo pode ser que seu filho fique com o sono meio desorganizado, o que pode ser difícil para vocês dois.

Como fica sua vida

Esta idade é famosa pela falta de apetite, por isso procure não se frustrar. Não é muito agradável se esmerar no preparo de um lindo prato e a criança não provar nem um pedacinho. Concentre-se em oferecer um pouco de cada coisa a cada refeição -- e torcer para ela comer pelo menos um pouquinho.

Pode ser que seu filho prefira comer verduras e legumes frios, em salada: se o purê de cenoura não está descendo, experimente dar palitinhos de cenoura, erva-doce, pepino ou tomate como aperitivos.

Embora a aceitação alimentar varie muito de criança para criança, é saudável começar a dar alimentos semelhantes aos do resto da família.

Para abrir a matraquinha

Observar a criança aprender a falar é uma das experiências mais incríveis de ser pai e mãe. Há crianças que disparam a falar e lá no meio aparece uma palavra inteligível. Outras aprendem a dizer uma palavra de cada vez, aumentando o vocabulário aos poucos, meticulosamente. Outras ainda usam um termo sem parar, por semanas, e depois o esquecem.

Todas essas variações são normais. O que você pode fazer para ajudar é descrever tudo e mais um pouco. Não só as coisas, mas também sensações: "Viu como o chão está quente?" ou "Olha só que pêlo macio!".

Quando der uma volta com seu filho, andando ou no carrinho, aponte para as coisas e diga o nome delas. Procure usar palavras normais, e não só apelidos fofinhos. Logo ele vai tomar gosto e começar a mostrar e nomear as coisas sozinho.

Se seu filho ainda não falar muito, converse com ele usando frases curtas, principalmente se ele parecer confuso quando você lhe faz perguntas ou pede para fazer alguma coisa. Em vez de dizer: "Você não está com fome? Por que então não come a bolacha?", diga apenas: "Coma a bolacha".

Outra dica é usar afirmações ("Coma direitinho") em vez de frases negativas ("Não jogue a bolacha no chão!"). Lembre-se que escutar é fundamental para a aquisição da linguagem. Se seu filho sofre com otites ou se você desconfiar de algum problema de audição, não deixe de falar com o pediatra.

Ponha seu filho para desenhar!

Nesta idade, as crianças adoram criar obras de arte. Se da primeira vez que você pôs um giz de cera na mão do seu filho ele fez rabiscos pela folha toda, agora pode ser que ele consiga controlar o desenho melhor, ocupando espaços diferentes do papel e talvez até tentando fazer círculos.

Caso você ainda não tenha tentado, não há problema. Se conseguir, arranje um papel mais grosso e grude-o na mesa com fita adesiva. Giz de cera é melhor que lápis, pois traz menos risco de machucados. Prefira os grossos, pois os finos vão quebrar muito rápido.

Outra alternativa é giz, para riscar a calçada ou o quintal. Giz molhado pode ser usado no papel e não solta tanto pó.

Quando sair para um passeio, ou for brincar lá fora, você pode recolher folhas e pedrinhas junto com seu filho, para depois fazer uma colagem em casa.

Nada de texturas esquisitas

Seu filho não gosta muito de pisar descalço na areia? Nem na grama? Como ele está percebendo melhor as sensações, começa a reclamar se elas são muito diferentes. Pelo mesmo motivo, pode começar a recusar alguns alimentos, menos por causa do sabor e mais pela textura na boca. Pudim, gelatina e purê, por exemplo, podem ser vítimas.

Há crianças que não gostam de ser penteadas, outras que reclamam que a roupa incomoda. Procure ceder um pouco: arranje roupas que não apertem, use condicionador para facilitar a tarefa de pentear, distraia a criança com outra atividade na hora de arrumar o cabelo, ou brinque de cabeleireiro com ela.

Só não esqueça de ir trabalhando para diminuir o incômodo. Quanto mais a criança se acostumar com as sensações, mais fácil será a vida de todo mundo.

Caminhando com firmeza

Mais de 90% das crianças já andam ou estão prestes a aprender a andar com esta idade. Agora é questão de ficar mais firme. De andar para subir em tudo o que aparecer pela frente é um pulo. Seu filho vai querer subir na cadeira sozinho.

Outro possível "feito" é querer pular a grade do berço. Certifique-se de que o estrado está na posição mais baixa possível, e nunca deixe a grade abaixada. Caso seu filho consiga escapar mesmo assim, talvez você já tenha que pensar em passá-lo para uma cama.

Se ele já anda firme, você pode ensiná-lo a pular em um pé só, como saci. Segure-o pelas mãos e mostre como fazer. Ele vai se divertir tentando imitá-la, embora no começo acabe pulando com os dois pés mesmo.

Você está preocupada porque seu filho não parece interessado em andar? Converse com o pediatra, pois só ele pode identificar se há algum motivo especial para o atraso.

Enquanto isso, continue fazendo muita festa a cada passinho, e experimente dar alguma coisa para seu filho segurar enquanto tenta andar. Muitas vezes isso ajuda com o equilíbrio e distrai a criança.

O reino do eu-sozinho

Você já mora nessa terra? Ele quer fazer tudo sem ajuda? É claro que algumas coisas não dá para deixar, mas outras você pode permitir que ele faça, mantendo-se por perto para ajudar se necessário.

A hora da refeição é uma boa oportunidade para dar à criança certa autonomia, deixando-a levar a colher à boca sozinha (apesar da sujeira!).

Talvez seu filho comece a demonstrar preferência por uma das mãos, mas ainda vai demorar um bom tempo para você saber se ele é destro ou canhoto.

Por essa época é provável que a criança comece a não querer fazer uma das sonecas diurnas, normalmente a da manhã. É um período de transição que pode ser difícil para toda a família, até que todo mundo se adapte aos novos hábitos.

Desobediência pura e simples

Você diz "Não pode mexer aí", ele olha bem para você e mexe? É duro não ficar irritado com tamanha cara de pau, mas os especialistas aconselham que você ignore esse tipo de comportamento (na prática, finja que não viu), em vez de dar uma senhora bronca. Isso evita que tudo vire motivo para um confronto entre vocês dois.

A questão é que nesta idade a criança ainda está adquirindo autocontrole. Ela quer tudo aqui e agora. Por isso vai pedir a água naquele copo específico, vai querer usar sandália num dia de frio e não haverá Cristo que a convença do contrário. Tudo porque ela quer que seu mundo seja previsível, já que assim ela se sente muito mais segura.

Por incrível que pareça, carinho e contato físico, além de muita calma, são o que mais resolve nessas situações. Mostre o quanto ficou feliz se ele finalmente concordar com você, mas esteja preparado para mudar rápido de assunto para tentar evitar um drama ainda maior.

Lembre-se de que esse tipo de escândalo faz parte do desenvolvimento do seu filho. Eles tendem a acontecer quando a criança está cansada, com fome ou excitada demais. Às vezes ele só quer é atenção. Nesse caso, dedique um tempinho para um abraço e um bate-papo que as coisas devem melhorar.


Mais simpatia

A fase de estranhar pessoas desconhecidas começa a melhorar. A criança passa a criar relações específicas com outras pessoas que não só o pai ou a mãe. Fica mais fácil para ela fazer amizade com a professora nova ou dar tchau e sorrir para as pessoas na rua.

Fonte: Baby Center Brasil

Não tem sido fácil, claro que temos nossas recompensas. Lorenzo tem estado muito irritadiço, não sei se é da idade, mas as birras então me estressando.

Ele é uma matraca, nos ultimos dias, tem aprendido a pronunciar novas palavra. Agora, está falando Noooon (não), looa (Lola), anana (banana), mamain (mamãe), mas o papai não está saindo (tadinho do pai).

Ele tem estado também muito independente, acha que sabe correr, e até caiu hoje.

Ele tem sido muito comunicativo, apesar de não falar em si, quando ele vê pessoas mais velhas tende a estender a mão e cumprimentar ( pedir a benção).

Achei que seria complicado o periodo que estamos uma vez que comecei a trabalhar, mas para o meu espanto e surpresa, ele tem se comportado muito bem, e acredito que continuará assim.

Fiquei com saudade dele demais, e quando cheguei para o amoço fui recebida com muita saudade e carinho (owunnt).

Me contem como estão os filhos de vocês!



2 comentários :

  1. Tb sou cadastrada no Baby Center. Já li todas essas postagens de lá do comecinho da minha gestação até o parto, depois do parto até 1 ano de vida e sempre acompanho o desenvolvimento de Beli mês a mês até os dias atuais tb por lá. Bjuus Sueli&Beli

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. O baby center e bom de mais mesmo né. Beijos!

      Excluir

 
-